Artigos › 03/10/2019

São Paulo da Cruz

Seu nome de batismo era Paulo Francisco Danei. Nasceu em Ovada, norte da Itália, aos três de janeiro de 1694. Filho de Lucas Danei e Ana Maria Massari. O pai era um comerciante decadente. A mãe, dona de casa, era de uma religiosidade intensa. Frequentemente apresentava a imagem de Cristo crucificado aos filhos, diante de alguma situação de dor. Paulo foi o segundo, dos 16 filhos do casal, dos quais 11 morreram na infância.

Aos 19 anos teve uma “iluminação interior” ao estar escutando uma conversa de um padre sobre assuntos religiosos. Sentiu que Deus o chamava para uma missão especial, mas não sabia ainda qual era. Decidiu, então, fazer sua entrega total ao serviço de Deus. Dois anos mais tarde (1715), teve outra iluminação, de viver em solidão: “andando pela praia, ao avistar a solitária Igreja da Divina Misericórdia, senti o desejo de me retirar para sempre àquela solidão”. Um ano depois, alistou-se numa cruzada contra os turcos, mas em oração percebeu que não era esse seu chamado. Intensificou sua vida cristã (oração e catequista).

Teve uma visão interior ao voltar de uma missa na Igreja dos capuchinhos: “de súbito me achei revestido de longa túnica negra, tendo uma cruz branca no peito, e também em letras brancas, o Santíssimo nome de Jesus”. Após essa visão, sentiu-se impelido a reunir companheiros e fundar, com autorização da Igreja, um grupo chamado “Os pobres de Jesus”. No dia 21 de novembro de 1720, dirige-se a D. Gattinara, seu bispo e diretor espiritual e recebe dele o hábito de eremita. Fica em absoluta solidão de 22/11 até 01/01 (retiro de Castellazzo). Mais tarde, tem a iluminação de que deve reunir companheiros para promover nos fiéis a memória da Paixão de Jesus Cristo por meio das missões populares e exercícios espirituais. O primeiro companheiro foi seu irmão de sangue João Batista. Ao trabalharem no hospital de S. Galicano em Roma são convidados a se prepararem para o presbiterato. Eles se ordenam em sete de junho de 1727. A Regra da Congregação foi aprovada oficialmente em 1741.

Paulo da Cruz considerava a pregação das missões populares como o apostolado próprio da Congregação. Pregou cerca de 200 missões populares e muitos retiros espirituais em mais de 30 dioceses da Itália. No intervalo das missões, dedica-se à oração, penitência e estudo. Paulo morre aos 18 de outubro de 1775 em Roma. Foi declarado santo por Pio IX, em 29 de junho de 1867.