Notícias › 16/11/2020

Papa no Angelus: repetir sempre ao coração que “o pobre sou eu”

papa-francisco-angelus-novembro

No Angelus deste penúltimo domingo do ano litúrgico, o Papa Francisco voltou a comentar a famosa parábola dos talentos (cf. Mt 25,14-30), do Evangelho de hoje, “que vale para todos, mas, como sempre, especialmente aos cristãos”. Ela faz parte do discurso de Jesus sobre os últimos tempos, que precede imediatamente a sua Paixão, Morte e Ressurreição.

A parábola fala de um senhor rico que deve partir e confia os bens a três servos, distribuídos de acordo com as habilidades de cada um. Como faz Deus conosco, disse Francisco, que nos conhece bem, “sabe que não somos iguais e não quer privilegiar ninguém em detrimento dos outros”, mas confia a cada um segundo as suas capacidades.

Dia Mundial dos Pobres

O Papa fez referência ao próprio Dia Mundial dos Pobres, celebrado neste domingo (15), e falou do perigo da lógica da indiferença, convidando os cristãos a estender a mão aos pobres:

“Você não está sozinho na vida: há pessoas que precisam de você. Não seja egoísta: estenda a sua mão aos pobres. Todos nós recebemos de Deus um ‘patrimônio’ como seres humanos, uma riqueza humana, seja ela qual for. E, como discípulos de Cristo, também recebemos a fé, o Evangelho, o Espírito Santo, os Sacramentos e muitas outras coisas… Esses dons devem ser usados para fazer o bem, para fazer o bem nesta vida, como serviço a Deus e aos irmãos.”

Especialmente hoje a Igreja motiva a usar os dons de Deus e colocar a serviço dos mais necessitados, insistiu Francisco, alertando que é preciso olhar para os pobres que são em muitos nas nossas cidades:

“Devemos fazer o bem, sair de nós mesmos e olhar, olhar para aqueles que mais precisam. Há tanta fome, mesmo no coração das nossas cidades, e muitas vezes entramos naquela lógica da indiferença: o pobre está ali e nós olhamos para o outro lado. Estenda a sua mão ao pobre: é Cristo. Sim, alguns dizem: ‘Mas, esses padres, esses bispos que falam dos pobres, dos pobres… nós queremos que falem da vida eterna!’ Olha, irmão e irmã, os pobres estão no centro do Evangelho: foi Jesus quem nos ensinou a falar aos pobres, foi Jesus quem veio pelos pobres. Estenda a sua mão aos pobres. Você recebeu tantas coisas e deixa o seu irmão e a sua irmã morrer de fome?”

O Papa então convidou todos os cristãos a repetir ao coração duas coisas: estender a mão ao pobre e que “o pobre sou eu”.

Aprender com o exemplo de Maria

Francisco também trouxe o exemplo de Maria, de quem devemos aprender a receber os dons para fazer o bem: ela recebeu Jesus de Deus e “não o guardou para si mesma, ela o entregou ao mundo, ao seu povo”.

Via Vatican News