Notícias › 19/12/2016

Papa Francisco: acolheremos ou rejeitaremos o Senhor no Natal?

Devido à proximidade da celebração do nascimento de Jesus, ao presidir a oração do Angelus na Praça de São Pedro, no Vaticano, o Papa Francisco questionou: “E nós, o que fazemos? Nós o deixamos se aproximar, o acolhemos ou o rejeitamos?”.

O Santo Padre explicou que Maria é apresentada no Evangelho à luz da profecia que anuncia “a virgem conceberá e dará à luz um filho”. Francisco disse: “No Evangelho de Mateus, os protagonistas são a Virgem Maria e o seu esposo José. O Filho de Deus ‘vem’ no seio de Maria para se tornar homem e Ela o acolhe. Assim, de modo único, afirmou o Papa, Deus se aproximou do ser humano tomando a carne de uma mulher”.

“De maneira diferente, também Deus se aproxima de nós com a sua graça para entrar na nossa vida e nos oferecer o seu Filho”, disse ele.

Portanto, Maria se torna um exemplo, um modelo para toda a humanidade: “Assim como Maria se ofereceu livremente ao Senhor da história e Lhe permitiu mudar o destino da humanidade, também nós, acolhendo Jesus e buscando segui-lo todos os dias, podemos cooperar para o desenho de nossa salvação e de salvação do mundo”.

Em seguida, Francisco expressou: “Outro protagonista do Evangelho de hoje é São José, que sozinho não pode dar uma explicação para a gravidez de Maria”.

O Santo Padre destacou a figura de São José, que “diante do evento extraordinário, que certamente suscita no seu coração tantos interrogativos, José confia totalmente em Deus e, seguindo o seu convite, não repudia a sua futura esposa, mas a toma consigo”.

“Acolhendo Maria, prosseguiu Francisco, José acolhe Aquele que nela foi concebido por obra admirável de Deus, a quem nada é impossível”.

O Papa observou que “essas duas figuras, Maria e José, nos introduzem no mistério do Natal. Maria nos ajuda a colocar-nos em atitude de disponibilidade para acolher o Filho de Deus em nossa vida concreta, na nossa carne”.

“José nos impulsiona a buscar sempre a vontade de Deus e a segui-la com plena confiança”.

Ao concluir, o Pontífice recordou que “Deus é próximo a nós. E ao Deus que se aproxima eu lhe abro a porta – ao Senhor – quando sinto uma inspiração interior, quando sinto que me pede para fazer algo mais aos outros, quando me chama na oração? Deus conosco. Deus que se aproxima”.

Por ACI Digital